quinta-feira, 27 de abril de 2017

Brianna - Capítulo III - A dor de Alex

Hello, guys! 

Segue mais um capítulo para vocês. Espero que gostem!!












— Não acredito que você veio com esta roupa?
— Eu não sabia que você iria trazer seus diretores para o NOSSO jantar, papai —sussurrei de volta.
Eu, meu pai e os quatro diretores dele, incluindo Peter, estávamos na entrada do restaurante. Meu pai era um homem de negócios, mas aquele descaso comigo não ficou barato. Eu e Alex nos certificamos de dar o troco nele depois, mas isso é história para ser contada depois.
Peter não parava de me encarar, mesmo disfarçando era possível de notar que ele estava desconfortável. Eu que o diga! Eu estava mais desconfortável do que nunca, meu segredo foi revelado e minha mentira foi abaixo como uma pedra afundando no rio. Nós nos direcionamos a uma mesa reservada em uma parte bem iluminada e perto de um mini bar no restaurante. O garçom veio nos atender, enchendo taças de vinho.
— O que quer pedir, Brianna? — perguntou meu pai.
Que seus cachorros vão embora, eu pensei. É claro que eu não poderia falar aquilo, na frente dos outros eu sou a princesa perfeita. Pois bem, seu eu não poderia ser malcriada então eu seria a causadora de prejuízo. Analisei o cardápio por alguns segundo e vi um prato feito de peixe, saladas compostas e um outro nome que eu não sabia o que era, mas o que me interessava ali era o preço, a coisa mais cara do cardápio!
— Quero esse aqui, papai.
Meu pai me olhou com aquele olhar que eu conhecia bem, sim ele sabia que estava sendo punido. Notei que Peter deu uma risadinha de leve e os outros três diretores apenas conversavam sobre coisas da empresa com suas taças de vinha na mão.
— Garçom, traga o que minha filha pediu e frango para mim, pode dizer ao chef que me faça algo especial — ele então se voltou para seus cachorros. — O que vão querer cavalheiros?
— Carne vermelha, senhor — disse um dele. Este era alto com cabelos pretos e olhos arregalados, parecia ter uns quarenta anos.
— Eu quero apenas uma salada — o japonês baixinho, esse eu sabia quem era. Sr. Takara do departamento de vendas e estratégia. Ele já havia ido a alguns jantares em nossa casa.
— Peter?
— Vou acompanhar Takara na salada.
Eles ficaram discutindo sobre coisas da empresa, eu era literalmente uma intrusa naquele lugar, mesmo aquele sendo o MEU jantar. Em algum momento durante as refeições, eu me levantei e fui ao banheiro. Já estava meio tonta por causa das três taças de vinho que eu havia bebido e precisava lavar o rosto.
Quando cheguei ao banheiro me tranquei em um dos boxes e abri o guardanapo em minha mão.
“Por que mentiu para mim?”
Eu realmente não estava acreditando naquilo, ele não tinha mais por que querer saber coisas sobre mim, tinha? Eu me tornei inalcançável para ele no momento em que ele descobriu que eu era filha do todo poderoso. Pelo menos foi isso o que eu pensei, mas Peter se apaixonou por mim e, sinceramente, hoje eu me pergunto se isso foi uma boa.
Quando saí do banheiro ele estava no corredor me esperando, não dava para nos ver da mesa do meu pai então estávamos seguros ali. Ele meio que puxou de canto e me olhou nos olhos, eu me lembro de sentir meu coração palpitar na garganta.
— Você não precisava mentir.
— Eu não menti. Quero dizer, apenas omiti alguns detalhes — eu o fitei de volta. — Mas por que se dar o trabalho de perguntar?
— Você quebrou meu coração Srta. Montez — o hálito dele cheirava ao vinho que tomávamos, mas ele não estava alterado.
Muito pelo contrário, sabia muito bem o que estava fazendo.
— Eu não...
— Agora o que vai fazer por mim?
Todos os pelos do meu corpo se arrepiaram naquele momento, mas a lembrança de meu pai naquele mesmo lugar me fez recuar. Ora essa! Eu era filha do dono da companhia, era claro que ele ia querer se aproximar. Peter não era um homem interesseiro, não. Ele era muito simples e realmente gostou de mim, mas eu só fui descobrir isso mais tarde.
— Eu não tenho nada para discutir com você aqui — me desvinculei dele. — Seria divertido se você ainda não soubesse quem eu sou, mas agora que você sabe, eu não vou ser um objeto usado para chegar a vossa majestade. Desculpe-me.


...
Ao abrir a porta, logo após a campainha ser tocada, me deparei com aquele homem loiro que conheci dois anos atrás. Ele entrou e encostou a porta atrás de si enquanto me beijava. O gosto do beijo dele já era habitual para mim, depois de tanto tempo eu e Peter nos acostumamos um com o outro e naquele momento éramos um par sincronizado e em perfeita harmonia.
— Que bela bagunça você tem aqui.
— Eu sei. Alex iria me ajudar com toda a arrumação, mas ele teve de viajar para a Itália por motivos familiares.
Peter não me olhava nos olhos quando eu mencionava o nome de Alex, quase como se a palavra o atordoasse um pouco. Nunca descobri se ele sentia ciúmes de mim com meu melhor amigo, pois ele fazia questão de se manter fora da nossa relação e nunca me perguntava sobre ele.
— Por onde vamos começar? — perguntou.
— Pelo escritório.
— Pelo escritório? Achei que iríamos começar pelo seu quarto — ele sorriu malicioso.
— Não! — eu me desvencilhei dele. — Se começarmos por lá eu não vou acabar isso aqui até a noite.
Ele me pegou pela cintura e me deitou no sofá, ficando por cima de mim. Colou seus lábios nos meus e disse:
— Você sabe que não há nada que faríamos no quarto que não possa ser feito no escritório.
Meu riso saiu abafado devido ao contato das nossas bocas. Ele então começou a me beijar fervorosamente, como se não nos víssemos há meses, o que não era verdade, pois nos vimos dois dias atrás na conferencia do lançamento da nova linha de design da companhia do meu pai. O fato de Peter estra comigo poderia parecer interessa para quem nos visse, Alex me dizia isso sempre, mas eu não me importava muito com o fato de que talvez fosse isso mesmo. De qualquer forma eu e Peter nunca chegaríamos a nos casar nem nada, eu sabia que um dia nós iríamos acabar nos separando de alguma forma bruta. Peter estava ficando mais velho e com certeza já queria uma família, filhos e uma casa grande com um cachorro que corresse atrás das crianças enquanto elas riem e ele assiste da varanda com um café quente na mão. Nós nunca tocamos nesse assunto, mas eu enxergava indícios de que um dia isso entraria em pauta. Peter estava guardando dinheiro para comprar uma casa em um local mais afastado da cidade, falava em como os filhos da irmã eram lindos e que um dia ele gostaria de sentir a felicidade de ser pai. Eu me lembro de perguntar sobre isso a ele uma vez, mas ele não entrou em detalhes, porém, isso sempre foi um capítulo previsto, mas nunca comentado de nossa história.
— Não acha que poderíamos faz isso em um local mais confortável? — os beijos dele distribuídos pelo meu pescoço me deixavam embriagada.
— Eu gosto do sofá, oferece desafios. Além disso, nós podemos inaugurar este cômodo primeiro, eu não me importo!
Os beijos continuaram e uma mão quente adentrou meu short e foi em direção a minhas partes íntimas, eu gemi baixinho com o toque o que fez com que ele colocasse um pouco mais de pressão aos beijos. Minhas mãos se moveram para abrir o fecho de seu cinto e ajuda-lo a se livrar de suas calças, ele fez o mesmo me ajudando a me livrar de minha camiseta. Nós íamos até o fim, oh, com certeza iríamos, mas o telefone de Peter começou a tocar justo na melhor hora. Ele se afastou um pouco de mim, eu pude ver no visor o nome de meu pai, isso indicava que eu e Peter não terminaríamos nossa “tarefa”.
— Boa tarde Sr. Montez... Sim, estou livre... Recebi apenas alguns papeis, mas nada que me ajudasse a resolver o problema... Estou perto do centro, posso verificar se o Sr desejar... Perfeito, estarei lá!
Eu já estava colocando minhas roupas de volta, mas ele me impediu e voltou a deitar em cima de mim, com beijos frenéticos e as mãos correndo por toda a extensão do meu corpo.
— Pensei... Pensei que você precisasse encontrar meu pai — sussurrei entre arfadas.
— Nós ainda temos alguns minutos.
...

Saí do banho um pouco cansada, mas eu ainda precisava arrumar toda aquela bagunça. Peter havia saído há meia hora para encontrar meu pai e eu provavelmente passaria o resto do dia sozinha, era raro quando Peter vinha me ver mais de uma vez no mesmo dia. Então, enquanto estava desempacotando minhas roupas para arrumar no closet, me peguei pensando em Alex, se ele voltaria logo da Itália ou se sentia minha falta também. Desde que conheci Alex, não houve um dia em que não nos falássemos e sempre dávamos um jeito de nos encontrar, nem que fosse apenas por alguns minutos.
Resolvi ligar para ele.
— Alô?
— Alex?
— Brianna? A ligação está um pouco ruim, consegue me ouvir bem?
— Consigo te ouvir — era tão bom escutar a voz dele. — Alex, como estão as coisas por aí?
— Estamos no hospital agora, posso te ligar mais tarde? Minha irmã está para entrar em cirurgia.
— Ah... Claro. Não se preocupe com isso, me ligue quando tiver tempo.
— Ok. Até mais tarde my piccola dea.
A irmã de Alex estava com câncer no fígado em estágio quatro, então ele teve eu viajar as pressas para a Itália. Eu não fazia ideia de como era ter alguém que se ama morrendo dessa forma, minha mãe morreu quando eu era muito pequena, então eu vivo apenas com o vazio de algo que nunca existiu, já Alex estava correndo risco de ter esse vazio criado por algo que seria arrancado dele a força. É incrível como a evolução humana não explica, não há cura definitiva para o câncer, não há como se saber que vai ter câncer até se ter. Tudo o que possuímos são expectativas e possibilidades de algo que talvez aconteça, talvez não. Não sabemos se morreremos hoje, amanhã, em meses ou anos. Não sabemos de nada, vivemos apenas com possibilidades e expectativas.
Alex não voltaria a me ligar tão cedo, então continuei com a arrumação até a horado jantar. Quando Alex me ligou:
— Está ocupada? — perguntou ele do outro lado da linha. Estava com a voz um pouco fraca.
— De maneira alguma. Como está sua irmã?
— Ainda não saiu da cirurgia, meu pai me mandou vir para casa ficar com minha sobrinha. Segundo ele eu estava mito agitado para permanecer no hospital.
— O médico ainda não atualizou sobre o quadro dela?
— Uma vez, mas eu já havia saído do hospital. De qualquer forma, vamos esperar acabar e torcer para que tudo dê certo.
— Eu realmente espero que dê tudo certo, estarei torcendo daqui.
Ele concordou com um ruído é o silêncio reinou por alguns segundos. Eu queria falar que sentia falta dele e sobre meu novo apartamento, queria conversar sobre banalidades como sempre fazíamos, mas seria muito egoísta da minha parte se eu ousasse tocar em assuntos como este.
— Estou com saudades — disse ele.
— Também estou. Espero que possamos nos ver logo.
— Em algumas semanas, eu acho. Mas não tenho tempo estimado de permanência por aqui.
— Eu entendo, não se preocupe comigo, apenas cuide de sua família. Não se esqueça que você pode me ligar para qualquer coisa, eu vou procurar te ajudar da forma que eu puder.
— Obrigado, de verdade.
Fez-se silêncio mais uma vez, então nós despedimos brevemente e eu encerrei a ligação.
Alex parecia muito distante, mais do que nunca. Eu sentia uma enorme vontade de voar para a Itália e o abraçar para sempre, até queele não sentisse mais angústia e tristeza. Eu sabia o quão ligados ele e sua irmã eram, presenciei várias conversas deles por telefone e videoconferência, ela era o tipo de irmã mais nova que venera seu irmão mais velho e com a perda do primogênito dá família eu sabia que a dor de todos era muito maior. Alex retratava seu irmão morto em quase todos os seus quadros pessoais, mesmo que por um detalhe básico que para outras pessoas não tenha importância, mas ele está lá para Alex.
Não tive ânimo para comer fora depois do telefonema, então pedi algumas para comer em casa mesmo, tomei um banho e fui me deitar. Naquela noite, sonhei com minha mãe, com suas várias fotos que ficavam em minha escrivaninha. Ela estava viva para conhecer a filha que eu havia me tornado, mas eu continuava sem conseguir alcançá-la.
Continua...

Por hoje é só! Obrigada pela atenção, não se esqueçam de comentar e compartilhar.
XOXO

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Dia #3 - Aprendendo Inglês com Séries!

Hello People!

Chegamos ao nosso 3º dia aprendendo Inglês de uma forma divertida e hoje, meus amigos, quero falar de algo que tenho certeza que muitos de vocês adoram.

Todos nós acompanhamos pelo menos uma série ou gostamos de assistir um gênero de filme. Mas quem não gosta, não é mesmo?!

Hoje eu vou falar de um método que aprendi com um Youtuber super famoso e até polêmico, mas é um cara super gente boa que me ajudou muito nesse aspecto de linguagens.

Esse método pode ser usado tanto para filmes como para séries, de qualquer gênero, dependendo do seu nível.

Sem mais delongas, vamos la!

Conheçam o que eu chamei de INCRÍVEL MÉTODO  DE LEGENDAS E AUDIÇÃO!

Esse método consiste em 3 passos bem simples, mas MILAGROSOS. Tudo o que você tem a fazer é escolher um filme ou série e vamos começar. Eu sugiro que vocês comecem com uma ´serie que tenha o Inglês falado no dia a dia, como "Friends" ou "How I Met Your Mother", mas super pode ser uma outra.

Passo 1º

Assista ao episódio todo com o áudio em Inglês e a Legenda em Português.

- O intuito aqui é apenas conhecer o enredo, ou seja, saber o que se passa no episódio.
Procure sempre fazer isso sem pausas, de um modo descontraído, assim você vai memorizar as situações mais facilmente.





Passo 2º

Assista ao mesmo episódio, porém, agora com áudio e legenda em Inglês.

- Aqui as coisas já são um pouco diferentes. Você vai precisar do máximo de concentração. Procure assistir e acompanhar a legenda enquanto as personagens estão falando. O legal aqui é usar e abusar do replay de cenas e tentar conhecer o máximo de palavras possível.
Não se acanhe de ter um dicionário ao seu lado se precisar, mas lembre-se de que você já assistiu ao episódio antes e sabe o que está se passando, então é mais uma coisa de contexto do que tradução ao pé da letra.

Passo 3º

Retire todas as legendas e seja feliz no Inglês falado.

- Aqui você vai assistir ao episódio como se fosse a primeira vez, porém, sem ajuda alguma de legendas, dicionários, replays ou pausas. Aqui é o Inglês pelo Inglês, onde você vai realmente começar a pegar as coisas e ter a oportunidade de apurar seu ouvido.







É isso! Esses são os 3 passos simples para aprender Inglês com séries e filmes e você pode aplicá-los em qualquer série ou filme. No começo vai parecer difícil, mas com o desenvolver dos episódios e prática, logo o efeito começa a ser percebido e você não vai mais precisar de legenda em várias situações.
Pratiquem, aproveitem e falem Inglês com diversão!

terça-feira, 18 de abril de 2017

4 Razões para ler, assistir e amar Os Intrumentos Mortais (Shadowhunters)

Hello!
Hoje eu vim falar sobre uma série que acompanho desde antes de aparecer na plataforma streaming da Netflix, antes mesmo do lançamento do filme. Uma série de livros que ganhou as telinhas e vale muito a pena acompanhar. Estamos falando nada mais nada menos do que SHADOWHUNTERS!!

Shadowhunters é uma série, produzida pela Netflix, que se originou da obra da autora Cassandra Claire. A série ganhou tanta força nos últimos anos que os 6 livros da saga mais o especial “As Crônicas de Magnus Bane”, spin-off da série saíram do papel e foram para as telinhas. Há alguns anos foi iniciada a produção e houve até mesmo o lançamento do filmo do primeiro livro da série, “Cidade dos Ossos”, que contava com Lilly Colins e Jamie Campbell Bower como protagonistas. O filme não decolou como o esperado, então alguns anos depois a Netflix lançou a série que hoje é sucesso de audiência em todo o mundo.
Estamos na 2ª temporada e ansiosos para a 3ª com mais e mais aventuras, e para convencer você de que realmente vale a pena acompanhar eu vos trago 4 razões para amar Os Instrumentos Mortais (Shadowhunters)

1-    A trama é envolvente

Sim! Logo no começo da série as coisas já estão agitadas, quando a mãe de Clary é raptada depois do 18º aniversário da menina e ela descobre que tem sangue de caçadores das sombras. Jace, o “mocinho” da trama e par romântico de Clary é que a introduz neste mundo e há um triângulo amoroso entre ele, Clary e Simon, melhor amigo da garota. Mas não fique pensando que é apenas um romance como outro qualquer! Jace é um dos melhores caçadores, ele faz parte de um grupo de caça com seus irmãos de criação Isabelle e Alexander Lightwood. Clary descobre que é filha de um dos piores vilões da história dos caçadores de sombras, que na verdade está retornando em busca de algo que sua mãe escondeu, o Cálice Mortal, instrumento que permite criar novos caçadores de sombras. A trama segue daí com muitas batalhas, conflitos, mortes (sim, temos mortes dolorosas) e personagens incríveis e cativantes.

2-  Não é apenas uma série adolescente

Shadowhunters faz parte do universo teen, porém, representa muito mais do que isso uma vez que a autora (Cassandra Clare) introduz temas da vida real, como o fato dos personagens Alec e Magnus, que vivem um romance pra lá de proibido e as tradições, que muitas vezes são levadas mais em conta do que o amor entre familiares.

3-  Personagens cativantes

Todos, repito, TODOS os personagens da série cativam de alguma forma. Clary não é só uma menininha boba, ela tem a própria personalidade (muito forte, por sinal) e as coisas nem sempre são da forma cor de rosa e previsível como se pensa. Os personagens de Cassandra Clare podem se identificar com inúmeras pessoas na vida real e nunca são apenas figurantes em uma trama. Todos tem uma história a ser desenvolvida e contada.

4- Monstros e criaturas do submundo


A série tem desde lobisomens, vampiros e demônios a fadas, bruxos e anjos. A trama envolve todo esse universo diretamente. Eles estão presentes nas batalhas, nas decisões das leis do mundo em que vivem e influenciam o rumo da história de forma maravilhosa.


Eu super aconselho essa série para quem gosta desse tipo de universo. Existem mais do que essas 4 razões, mas eu vou ficar por aqui e deixar que vocês descubram esse universo lendo os livros ou assistindo a série, até mesmo fazendo os dois (aconselho). 

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Dia #2 - Memorizando palavras




Hello everyone!

Nesse dia #2 eu vou mostrar para vocês o que eu costumo fazer para memorizar palavras com mais facilidade. Existe uma série de recursos que podem ser usados para aumentar seu vocabulário, cada um deles de acordo com o seu método de aprendizado.
Eu costumo usar vários métodos para memorizar palavras e acho muito legal fazer de várias formas diferentes, assim seu cérebro se acostuma com mais facilidade a absorver coisas novas, então toda informação não será sempre um mártir para absorver.
Não se preocupe se você é uma pessoa mais de tecnologia ou se está mais acostumado com os bons e velhos companheiros papel e caneta, eu garanto a você que os dois métodos funcionam, tudo depende do seu empenho em desenvolver a tarefa.

Sem mais delongas, vamos lá:

• Aplicativos para celular

Nós vivemos uma vida muito agitada, não é mesmo? Nem sempre temos tempo de parar e estudar por uma hora, sem nenhuma interrupção. Se você é do tipo de pessoa que leva uma vida corrida e gasta horas no transporte para o trabalho, escola ou faculdade, então esse é o método perfeito para você.

English Vocabulary
Eu adoro o English Vocabulary, porque ele é muito interativo e te dá todas as direções que você precisa para memorizar palavras novas quando não tem tempo de elaborar planos de estudo para aprender palavras.
O EV tem vários levels, onde dentro de cada um contém lições com palavras de acordo com o tema. Você tem a opção de ver a palavra escrita, ouvi-la e ver a aplicação em uma frase. Além de conter jogos interativos para ajudar na memorização e um gravador de voz para que você pratique a pronúncia de cada palavra. Além disso, você pode ainda marcar as palavras mais difíceis para que o aplicativo de tempos em tempos lhe envie uma notificação no celular com a palavra. Você também tem a opção de jogar apenas com as palavras que escolher, marcando-as como lembrete.
Eu acho esse aplicativo muito útil, prático e divertido. Você pode encontra-lo nas plataformas Android e IOS.

Quizlet
Este também é um aplicativo ótimo para memorização, ele tem praticamente os mesmos recursos do EV, a diferença aqui é que você mesmo cria suas palavras e seu plano de estudos. Este é um ótimo aplicativo para quem gosta de aprender do seu próprio jeito, você pode criar pastas por categorias, frases e ainda tem acessos a flash cards, que são uma forma excelente de memorização. A grande diferença neste aplicativo é que também existe uma plataforma para desk top, então você não precisa ficar apenas no celular, além de que você pode entrar no perfil de outros usuários e acessar os planos de estudo deles.
O Quizlet está disponível em sistema Android e IOS e também pode ser usado para aprender qualquer idioma, não apenas o Inglês.

• Caderno de vocabulário


Pode parecer antiquado e trabalhoso, mas o caderno de vocabulário é ótimo para quem tem um tempo livre e tem o hábito de escrever quando estuda. Eu, particularmente, memorizo algo muito mais rápido e com mais facilidade quando escrevo, então esse é um método que funciona muito bem para mim.
O que eu faço aqui é separar por categorias, por exemplo, Escola. Então eu faço duas colunas, uma para substantivos e uma para verbos. Na coluna para verbos eu sempre coloco o verbo no presente e passado, caso o verbo for irregular (falaremos disso mais para frente), eu coloco ele no past participle também.
O legal do caderno de vocabulário é que você pode inventar e cria-lo da forma que você quiser, colocar desenhos, colorir e organizar do jeito que seja melhor para o seu aprendizado.


Por hoje é só isso, galera. Esses são apenas três dos recursos que eu costumo usar, na verdade a gente pode aprender palavras em qualquer lugar, seja escrevendo, lendo, ouvindo música, podcasts ou assistindo uma série ou filme. O importante é você achar o melhor para você e sempre arrumar um tempinho para se dedicar a isso.

Comentem caso tenham alguma sugestão, se inscrevam no blog e até a próxima!

sábado, 15 de abril de 2017

Um ótimo dia começa com uma ótima playlist!

Olá galera!!

Hoje eu vim aqui para mostrar algumas musicas que MUDAM o meu dia.
Todos nós gostamos de acordar e já sentir aquela boa energia, aquela vibração, aquela sensação de que nosso dia vai ser ótimo. Então, rola esse post e vamos às 5 músicas que eu selecionei para levantar qualquer astral!







Taste The Feeling - Avicii


• Can't Stop The Feeling - Justin Timberlake


•Here Comes The Sun - The Beatles


•Cake By The Ocean- DNCE


•Start Me Up - The Rolling Stones


terça-feira, 11 de abril de 2017

Brianna - Capítulo II



Hello Guys! Voltamos com mais um capítulo, dessa vez Brianna vai conhecer o super gato e bem sucedido Peter!

Vamos ao capítulo:


*4 anos depois*
O apartamento em Londres era confortável, melhor do que qualquer coisa que meu pai já havia feito por mim. Dois quartos, sala, cozinha e um pequeno cômodo vago que eu não sabia no que transformar. Quarto andar, de frente para a estação de trem museu recém reformada — um pouco barulhento, por ser o centro da cidade — e com toda a avenida e campos a vista.
Os móveis novos se misturavam com as caixas ainda fechadas. Eu não deveria ter trazido tanta coisa para esse novo apartamento, mas não podia deixar todos os quadros que Alex havia feito para mim para trás. Meu pai e eu estávamos tendo brigas frequentes por causa de Alex nos últimos meses, ele insistia em dizer que eu não deveria andar com “um qualquer” como Alex, que não tinha emprego e nem família. Isso não era nem um pouco verdade, Alex tem família — eles estão na Itália — ele manda dinheiro para eles todo mês. Dinheiro que ganha com seu trabalho como pintor. Eu vivia insistindo para ele me deixar lança-lo como artista, mas ele sempre teimoso acabava dizendo que preferia viver sua arte livremente — e o dinheiro que ele ganhava vendendo os quadros nas galerias e centro de Londres dava para ele se sustentar e mandar dinheiro para a família sem maiores preocupações. Mas meu pai não entendia isso e vivia dizendo que daria um jeito, é claro que eu acabava gritando com ele e rebatendo todos os seus argumentos, mas enquanto ele me sustentar eu precisarei acatar suas ordens.
— Essas são as últimas caixas, Srta. Montez.
O carregador estava colocando a ultima caixa na menor das pilhas.
— Obrigada! Aqui está — dei uma quantia generosa ao homem e fechei a porta assim que ele a atravessou em direção à saída.
Quando me virei em direção à sala percebi o quão ferrada eu estava. Aquela bagunça toda e a quantidade imensa de caixas para desempacotar, e tudo seria trabalho meu. Me joguei no sofá bege e fitei o teto, com toda a coragem se esvaindo de mim.
Foi aí que meu celular tocou.
— Alô?
— Brianna? Onde você estava? Te liguei umas dez vezes.
Era Peter, meu romance secreto.
— Oi Pete — apelido carinhoso. — Estava fazendo a mudança.
— Ah! É mesmo. Eu tinha me esquecido que você se mudaria hoje — a voz dele soou um pouco desanimada. — Você deve ter listas e listas de coisas para colocar em ordem, não?
Eu sorri com aquilo. Peter tinha um jeito de falar que me deixava meio boba, quase que como uma donzela apaixonada, mas isso só por dentro, pois eu nunca deixava ele saber desse efeito que ele causava em mim.
— Sim, eu tenho — confirmei. — Mas no momento estou jogada no sofá novo tentando fazer nascer à coragem necessária para fazer isso.
Ele deu risada com a brincadeira.
— Eu estava pensando em te chamar para almoçar no (). Por isso te liguei.
— Eu tenho uma mochila cheia de guloseimas aqui. Se você não se importar com a bagunça, quiser comer besteira com sua pessoa favorita no mundo e não tiver mais nada para fazer esta tarde...
— Aceito — ele disse como se estivesse aceitando um pedido de casamento. O que pareceu confirmar minha hipótese de que ele queria me ver de verdade, não só passar o tempo.
— Então, você é meu primeiro convidado no novo apartamento. (Endereço).
— Chego aí em vinte minutos.
Peter e eu tínhamos um caso desde que nos conhecemos há dois anos. Eu estava indo passar a tarde no escritório do meu pai, simplesmente porque ele havia me prometido um jantar e eu sabia que teria que ir busca-lo, caso contrario ele me daria o cano. Acabei que naquele dia fiquei ajudando a secretária da diretoria, Diana, ela estava super atarefada e com muitas reuniões agendadas então me deixou encarregada de alguns papeis e organização de relatórios. Foi quando eu vi no canto da mesa um envelope com um post-it escrito “Relatórios – entregar ao Sr. Peter Stone”. Pensei na coitada da Diana, que teria que entregar mais isso quando voltasse das reuniões, então pesquisei no sistema quem era o tal Peter Stone, acabei descobrindo que ele era diretor, então a sala dele não devia ficar longe.
— Ísis — chamei a menina que ficava algumas mesas à frente. — Onde fica a sala desse tal de Peter Stone?
— Logo ali, virando no corredor a esquerda. É a terceira sala depois da galeria — respondeu.
— Obrigada.
Então me direcionei a tal sala. A tal galeria era extremamente silenciosa, exibia todos os grandes prêmios que a empresa do meu pai já havia ganhado, e era cercada por salas de reuniões, uma sala de gerência e a tal sala do Sr. Peter Stone ficava ao lado de um quadro da época da Vanguarda, o nome dele estava em uma plaquinha cinza na porta.
Bati de leve e ouvi um “pode entrar” em tom simpático.
Ele estava de costas para a porta. O escritório era espaçoso, o qual cabia um sofá, uma pequena mesa com cadeiras, um espaço com frigobar e um mini forno e um sofá com uma mesinha e café, tudo isso um pouco afastado da área desk top. Vi o topo da cabeça por trás da grande poltrona e percebi que ele era loiro, não vi resquícios de cabelo branco ou coisa assim.
— Com licença, Sr. Stone. Eu trouxe esses relatórios para o Sr. assinar.
Ele se virou e imediatamente toda a sala desapareceu e ele virou o foco total naquele lugar. Quase falei um palavrão ali mesmo, que homem bonito. Cabelos castanhos claríssimos e olhos verdes como esmeraldas, uma boca pequena e os traços do rosto tão delicados e bem delineados. Ele até parecia ter saído de uma daquelas histórias de contos de fadas.
Apesar de ser um diretor, ele não parecia ter mais de trinta e cinco anos, naquela época eu não passava dos vinte. Fiquei imaginando se ele era uma daquelas pessoas que são mais velhas do que aparentam, mas isso eu iria descobrir mais tarde, não por escolha minha, mas por escolha do destino.
Ele não pareceu me reconhecer como a filha do presidente da empresa, pois me tratou como se eu fosse uma garota comum.
— Obrigado — disse gentilmente.
Entreguei o envelope a ele. Ele retirou os papeis que havia dentro, deu uma boa olhada, então disse:
— A Diana está de férias?
— Não, ela está em reunião. Estou apenas ajudando ela hoje.
— Hum... — ele agora estava me analisando, literalmente, da cabeça aos pés.
Acho que a roupa que eu estava vestindo contribuiu para isso. Como eu era filha do presidente, não me importei muito em vestir algo formal nem nada. Apenas coloquei um short jeans que batia um pouco acima das coxas e uma regata branca um pouco larguinha. Deixei meu cabelo solto e calcei botas coturno na cor bege. Naquele momento eu desejei estar vestindo algo um pouco mais sensual, porque o olhar dele não foi um simples olhar. É claro que ele disfarçou o máximo que pode, mas eu era muito melhor observadora que ele.
— Eu não vim trabalhar aqui, quero dizer, definitivamente — disse para quebrar o silencio. — Só estou aqui hoje.
— Entendi. Você é nova em Londres ou está conhecendo algo na empresa?
— Trabalho da faculdade — menti.
Ele arqueou uma sobrancelha.
— O que você estuda?
— Jornalismo, este trabalho é sobre a vida nos grandes escritórios.
Ele se levantou da poltrona e andou na minha direção. Agora sim eu fique totalmente deslumbrada. Ele era extremamente alto, eu batia apenas nos ombros dele. E com certeza havia músculos por baixo daquela camisa e gravata.
— Bem, eu estou indo almoçar agora. Acho que posso contribuir para esse seu trabalho, se você me acompanhar — ele me fitou.
— Isso seria ótimo — eu o fitei de volta.
Uma das minhas melhores habilidades era a interação perfeita com o sexo masculino. Não quero me gabar nem nada, mas eu mandava muito bem quando queria algo. E eu queria algo.
Não vou negar que havia uma tensão sexual entre nós, porque havia. Mas eu apenas veria aonde isso iria dar. Quando chegamos ao pequeno bistrô ao qual ele me levou eu apenas pedi um suco e algumas torradas, enquanto ele pediu uma salada acompanhada por batatas cozidas e peixe frito.
— Então...
— Você pode começar me descrevendo sua rotina — eu disse.
— Desde que eu acordo? — ele me deu um olhar sugestivo, eu apenas sorri.
— Por favor.
— Eu costumo levantar antes das cinco, escovo os dentes, tomo café com torradas enquanto checo meus e-mails. Normalmente eu saio de casa as seis ou sete horas, gosto de assistir o jornal da manhã — ele deu uma mordida no peixe. — Não gosto de dirigir até o trabalho, por causa do transito, então pego o metrô.
Primeiro fato sobre Peter — além dele ser mega gato — ele é um cara simples.
— Quando chego à empresa não entro pelo portão principal, pois sempre tem alguém querendo um favor e eu nunca quero ouvir esse tipo de coisa de manhã. Sempre vou direto para o escritório e...
Enquanto ele falava, tudo o que eu conseguia pensar era em como menti descaradamente. Tudo para não dizer que eu era filha do chefe dele, do todo poderoso. Não me recordo do restante de suas palavras, apenas de terminarmos o almoço e voltarmos caminhando para o escritório. Ele pediu meu telefone naquele dia, pois estava saindo em uma viagem de negócios e “queria saber sobre o trabalho”.
— Eu acabei que nem perguntei seu nome. Desculpe-me.
— Não tem problema — sorri de leve. — Me chamo Brianna.
Ele me olhou nos olhos quando ouviu meu nome. Ah não! Ele não poderia saber quem eu sou, poderia? Minhas mãos tremeram um pouco, mas logo a sensação passou. Mais precisamente quando ele disse:
— É um bonito nome.
— Obrigada! Só preciso de mais uma informação sobre você, para a ficha-técnica.
Menti mais uma vez, eu ainda precisava saber se ele era mesmo muito mais velho do que eu.
— Pode perguntar.
— Preciso da sua idade e estado civil — ele pareceu sorrir um pouco, um sorriso maroto. Mas não deixou aquilo tomar conta da situação e logo me respondeu.
— Trinta anos, solteiro!
Bingo! Eu sabia que ele não poderia ser assim tão velho. Ele ficou na recepção atendendo um sócio que havia acabado de chegar e eu voltei para a mesa da Diana.
— Aonde você foi? — perguntou ela em tom descontraído.
— Apenas almoçar — respondi no mesmo tom. — Achei que você demoraria mais na reunião, então acabei indo antes.
— Não tem problema, eu não vou almoçar hoje. Vou apenas pedir algo para comer aqui mesmo.
Ela parecia cansada e desgastada, o que era muito ruim para uma pessoa que beirava os vinte e cinco anos.
— Você precisa urgente de uma assistente. Por que não pede por uma?
— Não tive tempo de fazer isto, estou para marcar uma reunião com o Sr. Stone. Ele que cuida da aprovação das novas contratações do setor.

Achei estranho aquilo, mas depois entendi que Peter apenas assina as petições e concorda com os orçamentos. Mas o que que realmente interessa é como eu e Peter começamos a nos relacionar mesmo, e aquilo aconteceu naquela mesma noite.


É isso aí, pessoal! Não se esqueçam de comentar e compartilhar!
Bjos!

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Dia #1 - Aprendendo Inglês com Música

Hey everybody!
    
     Nesse primeiro dia de aprendizado, eu vou indicar algumas musicas e como aprender com músicas.

     Bem, todos nós amamos colocar os fones de ouvidos e colocar aquela música que amamos no volume máximo e cantá-la, mesmo que sem saber o que estamos cantando. Vamos combinar que nem sempre isso é legal, não é mesmo? As vezes a gente quer muito saber o que aquele artista que adoramos está dizendo.
     Muitas vezes nós optamos por ler a tradução da música e gravar apenas sobre o que ela fala. Pois bem! Eu lhes digo que ler a tradução é ótimo, mas saber o que está sendo cantado em tempo real É MUITO MELHOR! E você nem precisa ser um Expert em Inglês para isso! E eu vou ensiná-los agora como a prática de ouvir musicas acompanhado a letra em Inglês e Português pode te AJUDAR MUITO  a melhorar e aprender.


     Vamos começar selecionando um cantor ou música que gostamos (no começo é bom escolher algum cantor que tenha a pronuncia clara e musicas mais lentas também são melhores para quem está no apenas no básico), você pode até escolher uma música que já conhece, contanto que você ainda não saiba de cor a letra dela, assim seu cérebro vai sempre se adaptar a palavras novas.
     Eu vou pegar uma música bem conhecida e bem fácil do Justin Bieber como exemplo aqui (eu acho as músicas dele ótimas para se aprender, pois o Inglês não é tão complicado e, por mais que ele seja Canadense isso não influencia no aprendizado da língua).

     A música que eu escolhi foi Love Yourself, ela é bem simples e tem um ritmo fácil de se acompanhar.

Vou deixar a música coma  letra aqui, caso você queira tentar de primeira!


     Com a música escolhida, agora vamos buscar pela letra dela, eu aconselho começar lendo em Inglês, acompanhando  o que o artista está cantando, assim você já se adapta a algumas palavras, ou pelo menos ao refrão da música. Uma ótima formas de fazer isso é com o aplicativo ou site Letras.com, pois ele mostra a letra original e tradução linha a linha. (veja abaixo)

                     (no celular basta ativar a rotação e usar o aparelho na posição horizontal)

       Procure pelos verbos na letra e saiba quais são em Inglês e Português, assim você não fica perdido. Feito isto, dê um play e curta a música acompanhando a letra em Inglês (procure pelos verbos que você traduziu anteriormente, isso vai ter utilidade mais para frente - apenas lembre-se deles, mesmo que vagamente).
   
     Depois de ler toda a letra acompanhando o ritmo da música, faça a mesma coisa, porém, desta vem com  tradução em Português e tente relacionar os mesmo verbos, assim você consegue encaixar as outras preposições e palavras.

      Agora, mais uma vez volte à letra original, mas desta vez procure cantar junto, mesmo que demore um pouco, repita este processo até você conseguir cantar ou ouvir as palavras clara e corretamente, sempre seguindo a letra (se melhor, use o exemplo da imagem acima e acompanhe linha a linha). 

       Pouco a pouco, repetindo este processo com musicas, você vai se acostumar com a pronúncia das palavras e vai ficar cada vez mais fácil de cantar as músicas, mesmo que você não saiba o que ela significa, o importante aqui é você saber identificar as palavras quando as ouve (a tradução e aprendizado das mesmas é apenas consequência - uma ótima consequência).

      Abaixo, vou deixar uma lista de 10 músicas, do nível básico ao mais avançado (lembrando que estas são de acordo com meu julgamento e gosto musical. Você pode escolher suas próprias músicas, desde que elas atendam aos mesmos critérios).

video
               

    É isso gente! Esse foi o dia #1, semana que vem estarei de volta com mais uma dica.
Pratique bastante e não se esqueça de COMENTAR, SEGUIR e COMPARTILHAR o blog!
Beijos XOXO

domingo, 9 de abril de 2017

Greys Anatomy, minha PAIXÃO

Hey guys!!

        Hoje eu vim falar de algo que eu amo, mas amo mesmo, amo de paixão e foi uma das melhores coisas que me aconteceram (não, eu não sou a louca das séries). Desde que comecei a assistir essa série, não parei mais e não quero parar nunca, pois ela me faz sentir de um jeito inexplicável e tenho CERTEZA que vai ser assim com você também, caso você assista (ASSISTE AÍ! PROMETO QUE É MUITO BOA).
        Para falar um pouco mais sobre a série, eu resolvi responder uma TAG que achei na internet, superlegal, tenho certeza que você vão gostar.


01. Qual o personagem mais gosta? 

R: Quando você assiste GA não tem como falar de apenas um personagem querido, você acaba gostando de todos eles. Mas se for para escolher aqueles preferidos que me fazem muita falta (SPOILER ALERT), com certeza minha escolha é Cristina e Derek (também amo a Callie - ser maravilhoso, amor eterno).

           
          


R: Como eu disse, não há como ODIAR um personagem, mas eu confesso que não gostava do Preston Burke (cara meio egoísta), apesar de ele ser um dos melhores médicos.
Preston Burke (Cardio) 

                                             
03.Qual personagem você seria?

R: Acho que eu sou muito parecida com a Cristina, tenho meu próprio jeito de pensar e não sou um "ser caloroso", porém, quando eu gosto de alguém acabo me doando quase que por completo e na maioria das vezes acabo sofrendo por isso. Também sempre mantenho meus objetivos em primeiro lugar (é, com certeza eu seria a Cristina).

04.Qual personagem você não seria?

R: Acho que eu não tenho muito com o que ser comparada com a April, por exemplo.

                 April Kepner (Trauma - também conhecida como A Virgem de 30 anos pelo menos até o exame final)

05.Qual personagem você tem relação de amor e ódio?

R: Esse seria o Richard! (kkkkk). É incrível como eu consigo odiar aquele homem e dois episódio depois eu o estou amando (meio complexa nossa relação).


       Richard Webber (também conhecido como "The Chief")

06.Qual casal preferido?

R: Eu não tenho como escolher esse, pois TODO casal que se forma naquela série (com exceção de George e Izzie) é simplesmente WOW! (claro que eu também não gostei quando o Derek voltou com a esposa dele, pois ele é todinho da Mer!), mas se for para falar daquele casal que te faz querer escrever uma fanfic sobre, esses seriam Derek e Meredith, Callie e Arizona (sim, tem um casal lésbico e elas são shipp eterno da bida) e Alex e izzie, por mais que o relacionamento deles tenha sido complicado (SPOILER ALERT) eu ainda tenho esperança que no final da série ela vai voltar para ficar com ele.


 Derek e Meredith têm uma relação conturbada e ao mesmo tempo perfeita desde o primeiro episódio da série - é realmente coisa do destino esses dois.

Callie e Arizona são o shipp PERFEITO!! elas tem personalidades diferentes, mas se amam tanto que cedem uma a felicidade da outra, passaram por muitas dificuldades por todo o relacionamento delas, mas ainda assim são o shipp PERFEITO!!


07.Qual melhor temporada?
R: TODAS ELAS (já as assisti cerca de três vezes, e tudo o que quero fazer é começar tudo de novo quando chego na temporada atual).

08.Qual cena mais te marcou?

   R: Foram tantas, mas gosto muito de uma cena em que Derek está no elevador, então a Meredith entra (esse é um momento da série em que eles estão separados e Derek está com outra mulher), então a ex-esposa de Derek entra, então a NAMORADA ATUAL dele entra e fica o maior clima. Então quando a porta se abre no próximo andar, Mark (melhor amigo de Derek/foi com ele que a esposa o traiu - sim!! muitas idas e vindas nessa série, é por isso que eu AMO) analisa a cena no elevador e da risada, então ele entra e sussurra no ouvido de Derek: "Eu aposto que você preferia ter ido pleas escadas" - Confesso que essa cena é uma das minhas preferidas, mas Greys Anatomy tem muitos momentos marcantes, não há como escolher apenas um! (CENA ABAIXO)


Galera, muito obrigada! Por hoje é só.
Não se esqueçam de comentar e compartilhar! Até breve ♥
XOXO

sábado, 8 de abril de 2017

Dica de livro: Série A Mediadora

 Hello guys!!
        Hoje eu vim falar sobre uma série de livros que acompanhei dos 15 aos 20 anos e super recomendo para leitura.
        Para quem gosta de séries adolescentes, coisas sobrenaturais e um protagonista com potencial e personalidade forte, eu apresento a você a série que conta a história de Suzannah Simon e como ela salvou sua família, diante de uma grande mudança em sua vida, "ressuscitou seu grande amor" e impediu que inúmeras pessoas morressem nas mãos de fantasmas, além de outras coisas.
        

RESUMO DA SÉRIE

       São 7 livros (o último lançado ano passado), e digo, fui feliz em descobrir essa série e acompanhá-la na minha adolescência.
       A Autora Meg Cabot, também autora da famosa série O Diário da Princesa é a responsável por criar esse mundo, onde Suzannah Simon é uma mediadora desde que nasceu (ou seja, ela vê gente morta), ajudando-os a alcançar a luz ou seja lá para onde vamos depois que morremos. 
       Tudo começa quando a mãe de Suzannah se casa novamente (o pai dela morreu gente - ela consegue falar com ele) e então elas se mudam de Nova Iorque para a Baía de Carmel, na Califórnia. O padrasto de Suzannah tem outros três filhos e todos vão para a casa grande, antiga e história, onde antigamente funcionava um hotel.
     Mas o que realmente interessa aqui é que existe um fantasma assombrando o quarto de Suzannah (não é um simples fantasma , é O FANTASMA), Hector Jesse de Silva (bonitão e cavalheiro) morreu há 150 ali. 
      Suzannah também entra para um colégio católico, a Academia da Missão, que também é um ponto turístico do lugar e tem como diretor o Padre Dominic, que também é um mediador.
      É daí que parte toda a história. Suzannah passa o colegial se livrando de fantasmas que trazem problemas para as pessoas ou carregam algum tipo de pesar ou mágoa que os impede de seguir adiante.
      Ela também conhece o gato e riquíssimo Paul Slater, herdeiro de uma companhia inteira de empreiteiras, o cara também é um mediador, assim como seu avô e seu irmão mais novo. E devo acrescentar que ele é um tremendo mal caráter que acaba se apaixonando por Suzannah (mas ele não deixa de ser mal caráter por causa disso - ele tem seu charme, mas ainda assim é um idiota de carteirinha). 
      Sem falar que Jesse e Suzannah se apaixonam e o grande objetivo de Paul é fazer com que Jesse nunca tenha morrido da forma que morreu, assim o caminho ficaria livre para ele. 
      
O QUE MAIS GOSTEI


       O que mais me encantou na série é a forma de agir de Suzannah, ela não é só uma menina inocente, normal e clichê. Suzannah tem a personalidade forte e não desiste de um objetivo quando quer algo, mesmo tendo que mentir para seus entes queridos.
        Também a forma como as coisas se desenrola e a clareza dos acontecimentos. Meg Cabot não tem uma literatura difícil e enigmática, muito pelo contrário, é bem simples e gostosa de se acompanhar (confesso que cheguei a ler três dos livros em uma semana).

O QUE MENOS GOSTEI 

       Não tenho grandes críticas negativas para essa série, muito pelo contrário, só tenho elogios a fazer. Nesse ultimo livro lançado, Suzannah está mais velha e madura, bem como eu. Então tive a sensação de que cresci junto com ela e acompanhei as experiência, dividi desafios e senti todo o processo.


      Finalizando...

        Vale muito a pena conhecer a história de Suzannah, rir e se emocionar com suas aventuras. Fica a dica para vocês!!  


*Não se esqueça de comentar o que achou! 

XOXO

Um ótimo dia começa com uma ótima playlist!

Olá galera!! Hoje eu vim aqui para mostrar algumas musicas que MUDAM o meu dia. Todos nós gostamos de acordar e já sentir aquela boa en...